terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Poema V

V
Nós dois passamos. E os amigos
E toda minha seiva, meu suplício
De jamais te ver, teu desamor também
Há de passar. Sou apenas poeta

E tu, lúcido, fazendo da palavra,
Inconsentido, nítido

Nós dois passamos porque assim é sempre.
E singular e raro este tempo inventivo
Circundando a palavra. Trevo escuro

Desmemoriado, coincidido e ardente
No meu tempo de vida tão maduro. (Hilda Hilst)

Um comentário:

  1. Adorei o poema! Passo para deixar beijos alados e floridos.

    ResponderExcluir